VASO RACHADO E O VASO PERFEITO


                                  

 

 O VASO RACHADO E O VASO PERFEITO 

 

Aquele homem ganhava a vida a carregar água. Dois potes grandes, pendurados nas pontas de uma vara, que ele apoiava no pescoço.

Todos os dias era este o trabalho daquele aguadeiro: carregar os potes de água, do poço até à casa do seu patrão.

Um dos potes tinha uma rachadura, enquanto o outro era perfeito. Quando o aguadeiro chegava a casa do seu patrão, depois de uma longa e penosa viagem, um dos potes estava cheio, enquanto o pote rachado trazia só metade da água. Esta foi a sina que se repetiu ao longo de dois anos… o aguadeiro a entregar um pote e meio de água na casa do seu patrão.

O pote que era perfeito estava orgulhoso da sua façanha. O outro, porém, cada vez vivia mais envergonhado da sua imperfeição, por se sentir incapaz de produzir tanto quanto o outro. Depois de carregar durante dois anos esse sentimento de culpa, o pote rachado desabafou a sua amargura com o aguadeiro, na beira do poço:

- Patrão, estou envergonhado… e quero pedir desculpas…

- Desculpas, porquê? – Perguntou o homem.

- Nestes dois anos, apenas consegui chegar ao destino com meia carga de água, pois esta rachadura faz com que ela vaze pelo caminho. Por causa deste meu defeito, tu precisas de fazer mais viagens a carregar água e isso aumenta o teu trabalho…

O homem ficou triste e compadecido daquele velho pote… e disse:

- Quando regressarmos a casa, quero que preste atenção à beira do caminho. De fato, à medida que iam subindo a montanha, o velho pote rachado foi percebendo uma trilha de flores, exuberantes e belas, na beira do caminho.

Achou lindo… pois nunca tinha reparado nelas… mas isso ainda não foi suficiente para o fazer esquecer a sua angústia e, no fim da viagem, novamente pediu desculpas ao aguadeiro pela sua imprestabilidade. E o aguadeiro, paciente, explicou ao pote:

- Notaste que ao longo do caminho, havia uma trilha de flores… e essa trilha era apenas do teu lado. De facto, quando eu percebi a tua rachadura, logo nas primeiras viagens, tirei proveito desse teu defeito e resolvi lançar sementes ao longo do caminho.

Cada dia, ao passar, a tua rachadura deixava vazar água que regava as plantas. E, durante estes dois anos, eu tive a possibilidade de sentir o perfume das flores e apreciar a sua beleza, enquanto fazia o meu trabalho!

Somos potes rachados, quebrados, com defeitos… mas Deus aceita-nos e ama-nos mesmo assim! E Deus sabe tirar proveito das nossas fraquezas, dos nossos defeitos… e, apesar disso, não tem medo de nos aceitar ao seu serviço! Ele bem sabe que não existem potes perfeitos! Ele conhece-nos do jeito que somos e sabe que nos fez de barro… por isso conhece as nossas fragilidades! Poderíamos dizer que Ele nos quer assim, como somos!

Às vezes, gostaríamos de ser perfeitos… talvez até por vaidade pessoal… ou por não aceitarmos as nossas fragilidades e limitações!

Quantas vezes até, talvez… já pedimos a Deus que nos tire essas fragilidades!…
Mas… se Deus nos ama assim, do jeito que somos… porque não havemos de nos aceitar a nós mesmos do jeito que somos?
Claro que queremos crescer e ser pessoas mais livres… mas para chegarmos a isso, precisamos aceitar aquilo que somos, amando-nos do jeito que somos!

Se até mesmo um pote rachado pode irrigar as flores, e ser útil, tenha certeza, Deus precisa muito de cada um de Nós, com nossas particularidades. Jamais desanimemos, façamos o melhor que podemos e Deus fará o resto.

Pense nisso !

 

Deus abençoe sua vida ...
Um forte abraço.