ANA


                                   ABENÇOADA POR DEUS

Vida De Ana, Seus Sofrimentos E Alegrias

"...eu sou uma mulher atribulada de espírito" (1Sa 1:15).
"... e o seu semblante já não era triste" (1Sa 18).

O seu nome, assim como o seu modo de ser, nos apresenta uma mulher "graciosa" amável, mansa e generosa.

O seu nome era Ana.
Apesar de possuir estas tão boas características, ela vivia triste.
A Bíblia nos diz que ela e Penina eram esposas de Elcana.

Mas enquanto "Penina tinha filhos" ela "Ana não os tinha".
Num lugar mais profundo do seu coração, estava o imenso desejo de ser mãe. A sua alma ansiava por um filho mas a Bíblia diz que "o Senhor lhe tinha cerrado a madre" (1Sa 1:5b).


O seu desejo não estava coincidindo com o desejo de Deus na sua vida naquele momento. O tempo de Deus era diferente do seu tempo, assim como foi o tempo de Sara, o de Rebeca e o de tantas outras mulheres que amavam ao Senhor mas tinham também suas madres cerradas.
No seu casamento com Elcana havia coisas desagradáveis que a faziam sofrer:


1- Elcana, seu marido, não era só dela mas havia uma outra esposa - Penina;


2- o Senhor havia cerrado a sua madre e, assim, ela não podia ter filhos;


3- a sua rival a provocava para a irritar (ela tinha filhos e Ana não).

Apesar da tristeza que carregava consigo, ela tinha um marido que a amava. Ele, muitas vezes, a via chorando. Mas, numa certa ocasião, quando ele e toda a sua família foram a Siló para adorar e fazer sacrifícios ao Senhor, ele a viu chorando e perguntou-lhe:  "Ana, por que choras?  E por que não comes?  E por que está mal o teu coração?  Não te sou eu melhor do que dez filhos?"  (1Sa 1:8)
Ah, querida mulher !  Elcana não conhecia o anseio que toda mulher tem de ter filhos. Ana o amava mas queria que o Senhor lhe concedesse o privilégio de ter um filho em suas mãos.
Assim como ela fez, coloquemos também diante do Senhor...


a) o sofrimento que abate o nosso semblante;


b) nossos momentos de solidão;


c) a amargura que guardamos em nosso coração;


d) a tristeza que invade a nossa alma;


e) a ansiedade que nos faz definhar... e depois...
Adoremos, adoremos e adoremos o Senhor que nunca nos abandona e está sempre cuidando de cada detalhe da nossa vida.

Depois que Ana ouviu o seu marido, Elcana, perguntar-lhe se ele não era "melhor do que dez filhos", ela levantou-se e foi para o templo orar e derramar a sua alma no trono do Senhor. Sim, ela foi adorar a Deus e orar pelos problemas que a estavam deixando triste.
Ana orava e chorava com "amargura de alma".  Ela não estava só porque procurou refúgio no Senhor.  Deus estava com ela e ouviu quando ela Lhe pediu um filho.  Este pedido, no entanto, veio acompanhado de um voto.

Ela disse:  
"Senhor dos Exércitos!  Se benignamente atentares para a aflição da tua serva, e de mim te lembrares, e da tua serva não te esqueceres mas à tua serva deres um filho homem, ao Senhor o darei todos os dias da sua vida, e sobre a sua cabeça não passará navalha" (1Sa 1:11).
Querida, este voto que Ana fez ao Senhor, não foi fácil.  Mas ela, certamente, o fez porque o Senhor estava trabalhando em seu coração e incutindo nele o desejo de ter algo mais precioso do que apenas ter um filho - mas ter um filho para dá-lo ao Senhor.
Deus ouviu a oração de Ana.  Ele veio até ela para satisfazer as suas necessidades, dar consolo e conforto à sua alma.  Somente Ele seria capaz de consolar o seu coração, dar alívio, apoio e encorajamento.

Portanto minhas queridas, não deixem de colocar seus desejos diante do Senhor, Ele é fiel,  justo, amoroso e sente prazer em vê-las felizes realizando os desejos de seu coração.

Deus abençoe sua vida!

Um abraço.